Camarão

Cheira a férias, praia, sol e quem não gosta de comer uns camarões nesta altura do ano?

Vamos conhecer um pouco mais sobre este bichinho que se come de variadas maneiras e que tem benefícios nutricionais e para a saúde.

 

O camarão, comercialmente também conhecido por gamba, pertence à ordem Decapoda, ou seja são decapóides, à qual também pertencem as lagostas e os caranguejos. Inserem-se na classe dos crustáceos e é composto por um exoesqueleto de quitina.

 

Interesse nutricional

O camarão possui um valor relativamente baixo em termos calóricos, cerca de 71 kcal em 100 gramas, por ser maioritariamente constituido por água e proteínas. Tem ainda uma pequena percentagem de gordura, maioritariamente poli-insaturada. Em termos de micronutrientes, além de ser rico em cálcio, fósforo, potássio, é rico em algumas vitaminas como A, vitamina B1, B2 e B12, e oligoelementos essenciais como o zinco, selénio e iodo.

 

Benefícios para a saúde

O selénio presente no camarão é importante pois participa na actividade de algumas enzimas, além de ter uma função antioxidante  e actua juntamente com a vitamina E protegendo as membranas celulares dos danos provocados pela acção de radicais livres.

 

O iodo é um dos componentes das hormonas tiroideias. A tiroide é uma hormona que controla o metabolism basal do nosso organismo. A deficiencia de iodo resulta no mau funcionamento desta, podendo haver desenvolvimento de patologia como o bócio.

 

O zinco é um oligoelemento muito importante para o organismo, pois encontra-se em quase todas as células, nomeadamente ossos, pele e cabelo. A sua carência pode originar atrasos no crescimento em crianças, queda de cabeçp, deficiências ao nível do sistema imune entre outras.

 

O camarão tem ainda um caratenoide na sua constituição, a astaxantina, que dá a cor alaranjada aos crustáceos. Está quimicamente classificada como xantofila, que é uma família de carotenóides não precursores da vitamina A, é um que lhe confere uma forte capacidade antioxidante, importante no combate e prevenção de várias doenças.

 

Os crustáceos contêm purina, um compostos que que se transforma em ácido úrico no organismo. Por esse motivo, o consumo de camarão é desconselhado para pessoas sofrem de gota.
 

Curisidades e Dicas:

*Sabia que a cor dos camarões em cru é diferente da cor depois de cozido devido a um processo chamado desnaturação, que acontece à proteína quando exposta a altas temperaturas. Essa proteína após submetida à temperatura, juntamente com o pigmento atrás falado, exposta à luz, emite a cor alaranjada;

*Como escolher:

Ao adquirir observe se têm corpo firme e aderente à carapaça. Esta deve ser livre de manchas negras e de manchas amarelas, pois indicam início de decomposição.

O cheiro deve ser suave e típico de maresia.

*Como conservar

É aconselhável consumi-lo logo após a compra, fresco, no entanto é possível conservá-lo por até dois dias regrigerado, nas prateleiras de cima (têm a temperatura mais baixa).

Se adquirir congelado, poderá conservá-lo, bem acondicionado, no congelador até um mês.

*Veja a como cozer o camarão;

 

Referências:

  • USDA – United States Department of Agriculture (http://www.fas.usda.gov/commodities/fish-and-seafood, acedido a 22 de julho de 2016);
  • http://www.americanshrimp.com/health-nutrition/nutrition-facts/;
  • APD – Associação Portuguesa de Dietistas. Oligoelementos. (http://apdietistas.pt/nutricao-saude/os-nutrientes/os-micronutrientes/oligoelementos , acedido a 22 de julho de 2016).
  • Pu, J. , Bechtel, P.J. , Sathivel, S., Extraction of shrimp astaxanthin with flaxseed oil: Effects on lipid oxidation and astaxanthin degradation rates, biosystems engineering 107 (2010) 364 e371, Elsevier.

 

Receitas sugestão:

 

Joana R. Lewis

Licenciada em Dietética e Nutrição, pela ESTeSL.